close
crer_ver
O bem que você deseja já existe.
Tudo o que precisa fazer é identificar e revelar essa energia.

Vivemos em um universo regido por leis definidas. Para cumprir um processo de autoconhecimento mais rico temos que viver em harmonia com essas leis, que provavelmente, são conhecidas pela maioria das pessoas. Mas não de forma consciente.

“O insucesso não é resultado de pouca inteligência, preguiça ou falta de sorte, mas da incompreensão do funcionamento das estratégias vitoriosas”, afirma James Ray, um reconhecido especialista na área de ciências do comportamento.

Com base nessa premissa, ao compreendermos a Lei do Gênero, por exemplo, podemos aprender como mudar nossas vidas, recriando o nosso destino. Essa lei determina o que chamamos criação. Ela afirma que não há nada de novo no cosmos. Além disso, diz que todas as coisas se revelam de acordo com seu período de gestação individual, que tudo deve ter um período de incubação, como a gestação de um bebê, que demora nove meses. As árvores, as flores até o milho têm seus períodos respectivos de gestação.

Isso significa que tudo que é “novo” é mero resultado do que já existia em mutação. Nesse sentido, nada é criado ou destruído. Apenas muda a forma para se recriar, da mesma maneira que a união do espermatozóide com o óvulo gera um bebê – na verdade, o “novo’ bebê é um produto das células da mulher e do homem se transformando e se recriando.

A maneira como a Lei do Gênero se relaciona com o sucesso é a de que todo sucesso que se desejar nessa vida,  já existe. Só há uma fonte de suprimento. Tudo se origina e é formado pela mesma energia. Portanto, o bem que você deseja já existe. Talvez seja diferente, porém,  está aqui. Não há nada que possa ser criado. Tudo o que você precisa fazer é identificar e revelar essa energia.

Essa lei evoca nosso lado espiritual e não nos deixa esquecer que o mundo físico em que vivemos é só uma pequena parte de nossa verdadeira existência. Para obter sucesso de modo duradouro precisamos nos manter conectados com a fonte de todos os sucessos. É essencial ter fé nessa realidade invisível. A verdadeira fé (não me refiro no contexto religioso) é a capacidade de acreditar e confiar no que não podemos ver, no que não podemos tocar. Em vez de esperar que seja possível ver para crer, comece a acreditar antes mesmo de qualquer comprovação.

Fazemos isso com mais facilidade e com mais frequência do que percebemos. Nesse momento, a sala em que estamos foi inundada por ondas de rádio. Sabemos que as ondas magnéticas estão presentes, ainda que não possamos vê-las, e que , quando ligamos o rádio e sintonizamos uma determinada estação, podemos ouvi-las. Só precisamos estar conectados na freqüência certa. A fim de conseguir a música que desejamos na vida, nosso maior sucesso, basta sintonizar a estação certa e esperar.

Só não se esqueça que tudo tem seu “período de gestação” e nem sempre conhecemos sua duração no plano invisível e imaterial.

No plano físico, sabemos que demora nove meses para gerar um bebê. Seria ridículo que um pai perguntasse à mãe em seu terceiro mês de gravidez: “Onde está o bebê?” Isso vai funcionar ou não?”Contudo, isso é exatamente o que fazemos com frequência quando trabalhamos no plano imaterial, porque a informação não é tão precisa nesse campo como no mundo físico.

Observei que, nove entre dez pessoas que não vencem na vida, desistem justamente quando algo está prestes a acontecer. Elas plantam a semente, esperam germinar e, quando o broto está quase aparecendo, perdem a paciência (“Não está germinando!) e, assim, jogam fora a oportunidade de obter o que desejam.

A crença e a fé exercem um papel vital na ciência do sucesso. Plante a semente (entre em ação), tenha fé (sentimento de certeza) e espere. 

O sucesso será inevitável. 

Todos nós experimentamos em nossas vidas aquilo em que acreditamos. O que você procura também procura você! Isso faz sentido para você?

Rogério Martins é criador do Método LPC (Master Coach International) e CEO da Academia Brasileira de Coaching.

Artigo publicado na Revista Vida e Arte do Jornal Diário da Região em 02 de Março de 2014.

apost

Sobre o autor apost

Faça uma pergunta